Mural do Leno

Mural do Leno

JCL - Studio Mural de Comunicação - D&G

JCL - Studio Mural de Comunicação - D&G

22 de julho de 2016

Trágico acidente na BR 104 deixa um morto e dois feridos em Cupira

Vítima fatal
Um trágico acidente aconteceu na manhã desta sexta-feira(22), na BR 104, por volta das 9h35min, vitimando fatalmente o motorista de transporte alternativo Luciano Seródio, de Lagoa dos Gatos. Informações dão conta de que um indivíduo havia jogado pedras em um caminhão, e, o motorista Paulo Conceição, na tentativa de se livrar das pedras, terminou batendo de frente com um veículo que seguia em sentido contrário, sabe-se que mais duas pessoas ficaram gravemente feridas nesse acidente.


 Fotos: WhatsApp

Corpo sem vida é encontrado na Zona Rural de Brejo da Madre de Deus

Foi encontrado na manhã de hoje(22), um corpo com perfurações provocadas por arma de fogo, inclusive de grosso calibre, nas proximidades da Cerâmica, no Sítio Barra de São Domingos, Zona Rural de Brejo da Madre de Deus. A vítima ainda não foi identificada. As polícias Militar e Civil, foram acionadas para procederem com os atividades de praxe, e, enviar o corpo ao IML de Caruaru. A polícia continua esperando alguém da família para a identificação da vítima.


Fotos: WhatsApp

21 de julho de 2016

MECÂNICO É ASSASSINADO EM CALÇADO, NO AGRESTE

Um homem foi morto a tiros na manhã desta quarta-feira (20) em Calçado, Agreste de Pernambuco.
O crime aconteceu na Rua 15 de Novembro, a vítima foi identificada como sendo Ernando Félix de Medeiros, vulgo “Boca” de 40 anos. De acordo com a polícia ele estava trabalhando em uma oficina quando dois homens chegaram a pé e efetuaram vários disparos de arma de fogo, os tiros lhe atingiram nas costas e abdômen e os bandidos fugiram em um veículo HB-20.
A vítima chegou a ser socorrida com vida para a Unidade Mista de Saúde Nossa Sra. de Lourdes, onde faleceu ao receber os primeiros socorros. Ainda de acordo com a polícia, Ernando já havia cumprido pena pela prática de homicídio, a Polícia Civil realizou os procedimentos de praxe e liberou o corpo para ser levado ao Instituto de Medicinal Legal (IML), em Caruaru.

Fonte: Agreste Violento

20 de julho de 2016

GASTOS DE CAMPANHA POR MUNICÍPIO - PREFEITO E VEREADOR


O  PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso de suas atribuições legais e considerando o contido no inciso I do
art. 8º da Lei nº 13.165, de 29 de setembro de 2015,
 R E S O L V E
 divulgar, na forma do anexo, os limites de gastos nas campanhas eleitorais dos candidatos às eleições para prefeito e vereador
em 2016, atualizados nos termos do art. 2º da Resolução-TSE nº 23.459, de 15 de dezembro de 2015.
 Ministro GILMAR MENDES
Documento assinado eletronicamente por GILMAR FERREIRA MENDES, PRESIDENTE,  em 01/07/2016, às 20:33, conforme art.
1º, §2º, III, b, da Lei 11.419/2006.














Menina de 7 anos morre após levar tiro de espingarda disparado por irmão

Do G1 PE
Assaltante foi baleado e está internado no Hospital da Restauração (Foto: Ana Regina/TV Globo)Menina faleceu na noite de terça (19), no Hospital da Restauração, no Recife (Foto: Ana Regina/TV Globo)















Uma menina de 7 anos de idade morreu no Hospital da Restauração (HR), na área central do Recife, no fim da noite de terça-feira (19), depois de levar um tiro na cabeça.  Ela estava em casa, em  Curcurana, Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana. De acordo com a delegada Eliane Caldas, da Força-Tarefa do Departamento de Homicídios e Proteção  à Pessoa (DHPP) , o disparo foi efetuado pelo irmão da vítima, de 18 anos, que fugiu em seguida.
A policial informou que o rapaz, que tinha passagens anteriores por unidades de ressocialização de jovens infratores, estava mexendo em uma espingarda calibre 12, quando aconteceu disparo. O tiro foi efetuado de forma acidental. O adolescente teria envolvimento em crimes na região.
O crime aconteceu por volta das 20h. A criança foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), em Barra de Jangada, também em Jaboatão. Em estado muito grave, acabou sendo transferida para o HR. A garota faleceu logo depois de dar entrada no bloco cirúrgico.
Esse foi mais u m fato  trágico na família da garota. No início deste mês de julho, outro irmão dela foi assassinado. A polícia busca, agora, pistas para localizar o responsável pelo disparo que atingiu a garota.

19 de julho de 2016

Barbeiro foi assassinado à bala em Santa Cruz do Capibaribe


Um homem identificado por Regino de Oliveira Santos, foi assassinado na noite desta terça-feira(19), na Rua Severino Antero de Lira, 301, no bairro D. Dom, Santa Cruz do Capibaribe/PE. Beto Barbeiro, como era conhecido foi atingido por disparos de arma de fogo dentro de sua própria residência. A casa foi invadida por elementos desconhecidos que após praticarem o assassinato, tomaram rumo ignorado. A Delegacia de Homicídios de Santa Cruz do Capibaribe, investigará mais um crime de morte na "Capital das Confecções".






Por que a vaquejada é uma maldade?

Artigo escrito em julho de 2009
A vaquejada encanta multidões, mais ainda quando os vaqueiros obtêm vitórias com a proclamação “Valeu o boi!”. A vitória deles é a vibração de quem assiste. Para os vaqueiros e o público, é uma festa só. Mas e para os animais envolvidos nessa atividade? Eles gostam de ser freneticamente esporados ou de ser perseguidos e derrubados? É algo a se pensar sobre a moralidade de um dito esporte que, se vermos mais a fundo, consiste necessariamente em explorar e agredir animais.
Você que gosta de vaquejadas precisa entender o lado dos bois e dos cavalos também. Eles, ao contrário dos humanos que se divertem à beça, não saem nem um pouco beneficiados com a vida que têm. Se pudessem falar, você se surpreenderia com o desgosto deles por terem que viver com o fim de ser explorados e judiados em competições.
Por mais formosos que pareçam quando aparecem nas exposições de animais, eles sentem dor, bastante dor, e até medo durante as vaquejadas.
O puxão do rabo do boi dói bastante nele. Mesmo que ele seja considerado um boi fortão, considerado ótimo para vaquejadas, o puxão aplicado pelo vaqueiro quando ele vai para um lado e o animal para outro é forte demais para ele não sentir nenhuma dor. Isso é comparável com quando um maratonista que corresse atrás de você num campo de areia puxasse seu cabelo quando te encontrasse para te derrubar no chão. Você sentiria muita dor, assim como o touro sente quando é puxado e derrubado.
Sem falar em quando o animal tomba na pista e se atrita com o chão sertanejo, que não é rígido como cimento duro mas não é nada fofo. Já pensou em quando ele bate a cabeça no solo, o que não é raro?
Já nos cavalos, quando há o uso de esporas pelo vaqueiro, as esporadas dele doem bastante, mesmo quando não são aplicadas com esporas pontudas. Se seu filho pequeno calçasse botas com esporas em forma de moeda – as permitidas pela lei –, subisse em você como se você fosse um cavalo e começasse a te esporar brincando de vaqueirinho, você sentiria bastante dor nas costelas ou na lateral de seu abdômen.
Um outro detalhe: por que o boi sai do brete correndo tanto, se não é normal que um boi calmo corra tão rápido? Você já se perguntou sobre isso? Já passou pela sua cabeça que ele pode estar correndo por medo instintivo de ser caçado por um agressor? Já imaginou que esse medo pode ter sido induzido por agressões ocorridas dentro do brete? Aliás, o que se passa ali dentro? Você já se perguntou sobre isso, que nos é um mistério frequentemente respondido com mentirinhas ditas para desconversar?
É certo que nos divirtamos tanto só porque breteiros e vaqueiros causam medo e dor nos animais envolvidos?
Você pode pensar que esse sofrimento é compensado pelo ótimo tratamento que os cavalos de competição e os bois de puxar recebem quando não estão nos parques de vaquejada. Mas lhe digo que não, não há compensação para a dor e a tortura.
O cavalo de competição pode ser tratado como rei durante seu descanso, mas nada lhe compensa a violência, a dor das esporadas que o vaqueiro lhe aplica quando quer que ele corra o máximo possível para acompanhar o boi na pista. Quanto ao boi, pode ser até endeusado enquanto repousa no campo ou no curral, mas nada lhe pagará o fato de sofrer coisas dentro do brete que não nos são devidamente reveladas, o sentimento negativo que manifesta quando acelera na pista ou a dor sentida quando tem seu rabo tracionado por um cavaleiro de braços fortes que corre para outra direção e quando rola no chão de areia.
Peço a você um pouco de empatia, a capacidade de se ver no lugar de outra pessoa ou ser vivo, e faça um exercício mental em que você se põe numa situação parecida com esses animais supostamente tratados como nobres. Imagine-se preso numa fazenda, sendo servo do fazendeiro. Ele lhe dá a melhor alimentação e as melhores opções de lazer rural. Mas nessa suposição, esse bem-bom tem um preço: ele reservará meia-hora por dia para te prender numa casinha no meio do campo, te agredir de modo a lhe infligir bastante medo, abrir a porta da casinha, correr como um atleta para alcançar você – que estará correndo desesperadamente na ânsia de fugir da fazenda em que você está preso – e derrubá-lo no chão puxando seu cabelo crescido. Ele justifica sua prisão e exploração argumentando que você não tem sentimentos e vive para ser servo dele. Cinco anos depois, ele te vende por 50 mil reais para outro fazendeiro que fará as mesmas coisas com você.
Você gostaria de ter essa vida? Se não gosta, por que então compactua com uma atividade dita esportiva, a vaquejada, que faz algo bastante parecido com tudo isso com os animais?
Você pode argumentar então: “mas a vaquejada é parte de nossa cultura, é tradição, é a expressão esportiva da força do vaqueiro, que é o herói do Nordeste. Como vamos ficar sem uma tradição tão expressiva que é a vaquejada? Proibi-la é mutilar a identidade da região.”
Algo ser tradição não significa necessariamente que é algo bom e ético. Nas aulas de História, aprendemos sobre a escravidão, que moveu a economia brasileira por mais de 300 anos. Naquela época, falavam coisas muito parecidas: “Escravidão é tradição, é parte de nossa essência”, “Como viverá o Brasil sem a escravidão dos negros?”, “Proibir a escravidão negreira seria mutilar nosso país”.
Na Europa de antigamente e também na população brasileira de descendência portuguesa até a época imperial, as mulheres eram submissas aos seus maridos por determinação cristã (se duvida, leia na Bíblia as passagens em Efésios 5:22-24, I Timóteo 2:11-14 e I Coríntios 14:34-35). Essa era uma tradição, era parte da cultura cristã. Você aceitaria preservar a submissão feminina caso ela ainda estivesse em vigor só porque ela era parte de nossa cultura e tradição?
Se nossa região abolisse as vaquejadas e adotasse o respeito incondicional aos animais como parte de seus valores, o povo, como sendo tão criativo como sempre foi, certamente criaria novas formas de diversão e manifestação cultural, do mesmo jeito que criou o forró, o riquíssimo artesanato e tantos outros elementos artístico-culturais.
Então por que você se incomoda tanto com a ideia da abolição das vaquejadas? Por que se apega tanto ao valor cultural dela, se ela não é insubstituível e não é uma tradição saudável e digna de ser preservada?
Não é difícil entender que a vaquejada é uma atividade baseada na exploração e violência contra animais e não é uma tradição indispensável cujo fim vá fazer mal à nossa cultura. Se formos ver que a agressão contra bois e cavalos, para qualquer fim que seja, é um mal porque causa dor e medo neles, veremos que esse dito esporte não é uma atividade moralmente positiva.
Se eu fosse você, passaria a evitar vaquejadas. Começaria a boicotar esses espetáculos violentos que nos tornam pessoas sem sensibilidade e compaixão para com os animais.

Fotos: Internet

18 de julho de 2016

Homicídio na Zona Rural de Toritama

Na tarde desta segunda-feira(18), um homem identificado por Severino Augustinho, de 38 anos de idade, foi assassinado no interior de uma facção onde trabalhava, no Sítio Santa Maria de Toritama. Autoria e motivação ainda desconhecida pela polícia.

SARGENTO DO EXÉRCITO É ASSASSINADO EM GARANHUNS

Agreste Violento

Um sargento do 71 BI MTz foi encontrado assassinado na madrugada desta segunda-feira (18), nas imediações da Fazenda Fójos, as margens da rodovia BR-423, no município de Garanhuns, Agreste pernambucano.
A vítima foi identificada como, José Fábio da Silva Araújo, morador da cidade de Belo Jardim no Agreste pernambucano. O corpo dele apresentava uma perfuração provocada por disparo de arma de fogo na orelha direita. Sargento Fábio era integrante da banda de música do batalhão onde tocava a pouco mais de um ano.
A polícia informou que a vítima possuía porte de arma mais não estava armado, no local compareceram as policias Civil e Militar. O corpo foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML), em Caruaru/PE.
O caso será investigado pela 22ª Delegacia de Homicídios de Garanhuns, até o momento não há informações da autoria do crime. O Comando do 71 BI emitiu uma nota em que lamenta a morte do sargento.
NOTA DE FALECIMENTO
É com enorme pesar que o Comando do 71º Batalhão de Infantaria Motorizado (71º B I Mtz) comunica o falecimento, do 3º Sargento JOSÉ FÁBIO DA SILVA ARAÚJO, de 37 anos de idade, vítima de um suposto homicídio.
O Batalhão foi informado do ocorrido pela Polícia Civil na madrugada do dia 18 de julho de 2016, por volta de 01h, que o 3º Sargento FÁBIO havia sido encontrado morto, por volta das 18h, do dia 17 de julho de 2016 (domingo), às margens da BR 423, no município de Garanhuns, com um ferimento no ouvido direito, supostamente provocado por disparo de arma de fogo.
O Batalhão iniciou os procedimentos administrativos cabíveis a fim de apurar o ocorrido, bem como se solidariza com a perda do estimado militar e informa que está prestando todo o apoio necessário aos seus familiares.
LUIZ DUARTE DE FIGUEIREDO NETO – Tenente Coronel
Comandante do 71º Batalhão de Infantaria Motorizado.

Duas irmãs morrem em acidente na BR-232 em Belo Jardim

Fonte: Do G1 Caruaru

Carro invadiu a contramão na BR-232; três pessoas da mesma família morreram (Foto: Divulgação/PRF)
Um homem de 31 anos ficou ferido e as duas filhas dele - uma de 3 a outra de 8 anos - morreram em um acidente no sábado (16) na BR-232 em Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o pai das crianças - que dirigia o carro em que a família estava - invadiu a contramão na altura do km 187 e colidiu contra o caminhão.
A PRF afirmou por meio da assessoria que o motorista ainda tentou sair da pista contrária e cruzar a rodovia, mas colidiu de forma transversal no caminhão. A mãe das crianças também ficou ferida e foi levada para uma unidade hospitalar em Belo Jardim - o estado de saúde dela não foi informado.
A menina de 8 anos morreu na hora; a filha mais nova foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. O pai das crianças foi levado para o Hospital da Restauração em estado grave. De acordo com a PRF, o motorista do caminhão não ficou ferido.
Motorista invadiu a contramão e carro ficou destruído na BR-232 (Foto: Divulgação/PRF)Motorista invadiu a contramão e carro ficou destruído na BR-232 (Foto: Divulgação/PRF)

Acento circunflexo e trema têm novas regras de uso


Logo Uninassau

conteúdo de responsabilidade do anunciante


Você lembra do trema, aquelas duas bolinhas que costumávamos usar em cima do U em palavras como “linguiça”? Desde 2009, o trema não existe mais. Se você ainda está usando o acento, está na hora de se atualizar. A partir deste ano, o Novo Acordo Ortográfico passa a ser obrigatório no Brasil.
Por isso, além de linguiça, palavras como “tranquilo” e “aguenta” também são escritas sem o trema. Outros sinais da Língua Portuguesa também tiveram as regras revisadas.
O acento circunflexo nas palavras “voo” e “enjoo” não existe mais. Isso porque deixaram de existir os acentos circunflexos nos hiatos – uma repetição de vogais que pertencem a sílabas diferentes, como é o caso de enjoo.
E o acento agudo? Ele deixou de ser usado nos ditongos abertos de palavras paroxítonas. Ih, não lembra nada disso? A UNINASSAU explica: o ditongo é o encontro de duas vogais pronunciadas em uma só sílaba, como, por exemplo, ideia (EI é um ditongo). Palavras paroxítonas são as que possuem acentuação na penúltima sílaba.
Por isso, paranoia, moreia, europeia, centopeia, joia, estreia são palavras que agora são escritas sem acento.

Homem é preso após matar jovem de 17 anos e trocar tiros com policial

Suspeito foi baleado nas duas pernas e, quando tiver alta do hospital, seguirá para o Presídio de Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata Sul de Pernambuco (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Uma adolescente de 17 anos foi morta após ser baleada com dois tiros no tórax na noite do sábado (16) na cidade de Pombos, na Zona da Mata Sul de Pernambuco. O crime ocorreu por volta das 22h30 na praça da cidade. Um policial que estava de folga no local prendeu, em flagrante, o autor dos disparos: um homem de 27 anos, com o qual foi apreendido um revólver calibre 38.

O tráfico de drogas foi a motivação do crime, de acordo com o delegado Halysson Pontes. "Após efetuar os disparos contra a vítima, o suspeito tentou fugir a pé, mas o policial conseguiu impedir a fuga e deu voz de prisão. Nesse momento, o homem reagiu e tentou atirar no policial, que conseguiu prendê-lo após acertar um tiro em cada perna do rapaz", contou.

O suspeito, que não tinha passagem anterior pela polícia, foi socorrido para o Hospital da Restauração (HR), na área central do Recife, sob custódia policial. O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa do hospital para apurar o estado de saúde dele, mas não obteve retorno às ligações.

Após ter alta da unidade hospitalar, o homem, que foi autuado pelo crime de homicídio, será conduzido para o Presídio de Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata Sul do estado.


Fonte: Do G1 Pernambuco

16 de julho de 2016

Eliadson Leandro

Feliz Aniversário! Te amamos muito, parabéns.

Cadáver é encontrado na zona rural de Brejo

Um rapaz identificado por Gleidson Severino da Silva, de 25 anos de idade, que estava desaparecido desde a última quinta-feira(14), foi encontrado sem vida na manhã deste sábado(16), numa estrada de barro, entre São Domingos, onde a vítima morava e a comunidade de Olho D'água do Púcaro, Zona Rural de Brejo da Madre de Deus.




Fotos: WhatsApp